O QUE EU GANHO?

Conheça as vantagens e os benefícios de ser filiado ao SindJor-MS

MURAL DE EMPREGOS

Está em busca de oportunidade? Quer ser encontrado pelo empregador? Confira o nosso mural

DESCONTO EM FOLHA

É a forma mais prática de contribuir com o SindJor-MS. Saiba como

TABELA DE VALORES 2017

O SindJor-MS sugere valores que podem basear acordos entre empresas e trabalhadores

DIRETORIA

Veja quem são os membros da direção do sindicato para o triênio 2013-2016

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária




A Diretoria do SINDJOR/MS (Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul), vem pelo presente Edital de Convocação, convocar assembleia geral extraordinária dos jornalistas filiados para debater e deliberar a seguinte pauta:
1. Informes
2. Campanha de Filiação e Regularização de Débitos.
A assembleia geral extraordinária será realizada na sede do SINDJOR/MS (Rua do Matoso, 113, Monte Líbano, Campo Grande/MS), no dia 23/01/2020, com primeira chamada às 19:00 horas e segunda chamada às 19:30 horas.

Walter Gonçalves
Presidente do Sindjor MS

Campo Grande/MS, 20 janeiro de 2020.


sábado, 18 de janeiro de 2020

Sindjor MS é parceiro do Bloco "As Depravadas"






O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor MS) será parceiro, a partir deste ano, do tradicional bloco carnavalesco “As Depravadas”, de Campo Grande, formado por jornalistas, e criado há 27 anos. O apoio foi formalizado na quinta-feira, 16, na sede do sindicato, pelo presidente Walter Gonçalves, e por dois dos integrantes da comissão organizadora do bloco, Rafael Domingos e Daniel Lacraia.
Os dois representantes do “As Depravadas”, na oportunidade, solicitaram a parceria com o Sindijor MS, para que a entidade auxilie na mobilização da categoria, visando aumentar a participação dos colegas, na apresentação do bloco, este ano, marcada para o dia 15 de fevereiro, a partir das 9 horas.  O grupo, como já é tradição, uma semana antes do Carnaval, se reúne em frente ao Bar do Zé, na Barão do Rio Branco, com a Rua 14 de Julho, reduto histórico de lutas, em Campo Grande. Após o aquecimento, ao som das marchinhas de Carnaval, o “As Depravadas”, desfila pela área central da cidade.
“Realizamos a nossa apresentação antes do Carnaval, para que os jornalistas possam participar, uma vez que, durante a Folia de Momo, os colegas trabalham na cobertura”, explica Rafael Domingos. “Queremos aumentar o número de jornalistas participando do nosso bloco; a categoria também merece brincar o Carnaval. Temos de manter a tradição do As Depravadas”, conclama Daniel Lacraia.
Walter Gonçalves, pelo sindicato, garantiu o apoio do Sindjor ao bloco, uma vez que, segundo ele, a entidade está, e sempre estará ao lado das manifestações culturais populares, como o Carnaval, por exemplo. “Vamos participar da divulgação e da mobilização para o desfile do dia 15 de fevereiro. Convido os colegas a engrossarem as fileiras do As Depravadas, participem, o bloco é nosso, e ele já faz parte da história do carnaval campo-grandense”, ressaltou o presidente do Sindjor MS.

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Sindjor prorroga o Censo Jornalistas 2019 - Prazo vai até 31 deste mês





Jornalistas de MS. Estamos prorrogando para até o dia 31 deste mês, o Censo Jornalistas 2019, lançado no dia 18 de outubro do ano passado pelo Sindjor MS, com um questionário ampliado, para sabermos quantos somos no Estado, como estamos e o que queremos. O resultado do levantamento, servirá para nortear as ações do Sindjor, agora sob nova direção, pelos próximos três anos.
Quem ainda não acessou o link para responder ao questionário, é de suma importância que o faça. Por isso, estamos esticando o prazo, para que um maior número de colegas, participem. O link está aqui na capa do nosso site. Não precisa se identificar, se não quiser. Quanto mais profissionais responderem ao Censo, mais fidedigna será a realidade de nossa categoria, a ser espelhada pelo levantamento. Acessem!


Walter Gonçalves
Presidente do Sindjor MS

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Ano se encerra com 116 ataques de Bolsonaro à imprensa em 2019



)


Quase dez ataques por mês foram desferidos pelo presidente Jair Bolsonaro a profissionais jornalistas, a veículos de comunicação e à imprensa em geral, em seu primeiro ano à frente do País. O monitoramento vem sendo feito pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), que aponta um total de 116 declarações contra a imprensa em 2019. Foram 11 ataques a jornalistas, e 105 tentativas de descredibilização da imprensa. 
O mês de dezembro registrou mais cinco ataques, todos classificados como tentativas de descredibilização da imprensa. Quatro deles foi pelo twitter. No dia 13 de dezembro, por exemplo, o perfil oficial do presidente no microblog postou uma capa de jornal do dia, acompanhada do comentário: “A RENDIÇÃO DA IMPRENSA. O Brasil vai bem, apesar dela. Bom dia a todos!”. 
Esse monitoramento feito pela FENAJ inclui apenas os pronunciamentos registrados por escrito nos meios oficiais do presidente, que são o twitter e as entrevistas e discursos transcritos no site do Planalto. Por isso, o número de ataques ao jornalismo é ainda maior que o já verificado até aqui. No dia 20 de dezembro, Bolsonaro fez violentos ataques a jornalistas em entrevista na portaria do Palácio da Alvorada, de teor homofóbico e pessoal a profissionais que estavam ali simplesmente exercendo seu dever de ofício. No mesmo dia, em nota, a FENAJ e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal ressaltaram que os ataques tentavam desviar das denúncias que ligam sua família e amigos a atividades criminosas. Federação e sindicato também apelam às redações que reavaliem a decisão de deslocar repórteres para cobrir entrada e saída do Palácio da Alvorada, onde os jornalistas dividem espaço com apoiadores do presidente, que constantemente ameaçam os profissionais (confira a íntegra no final desta matéria). 
“Nossa principal preocupação é com a democracia e as instituições democráticas, entre elas as que convencionamos chamar de imprensa. Também nos preocupa a questão objetiva da segurança dos Jornalistas. Quando um chefe de Estado ataca sistematicamente profissionais e veículos de imprensa, incentiva que seus apoiadores façam o mesmo, inclusive com intimidação, ameaças e até agressões. Bolsonaro potencializa a agressividade contra jornalistas, e com isso afronta os valores democráticos”, diz Maria José Braga, presidenta da FENAJ. 
O levantamento produzido pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) começou a ser divulgado com dados de janeiro a outubro de 2019, na véspera do Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, lembrado em 2 de novembro. O mapeamento se refere a dados coletados com base em todas as postagens de Bolsonaro no microblog twitter e no facebook este ano (as contas são sincronizadas), além das transcrições dos discursos e entrevistas oficiais, que constam no site do Palácio do Planalto. Foram avaliadas todas as ocasiões em que o presidente se refere a jornalistas, mídia, imprensa e produção de notícias. A FENAJ continuará divulgando o balanço no ano de 2020.
Violência contra jornalistas 
O monitoramento dos ataques de Bolsonaro à imprensa constará no Relatório Anual da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil, que será divulgado no próximo dia 16, no Rio de Janeiro. 
Em 2018, os casos de agressões a jornalistas cresceram 36,36% em relação ao ano anterior. Foram 135 ocorrências de violência registradas pela FENAJ, entre elas um assassinato, que vitimaram 227 profissionais. A polarização do cenário eleitoral foi um dos fatores relacionados a esse aumento. Em 30 casos, os eleitores/manifestantes foram os agressores, sendo em 23 casos partidários do então candidato Jair Bolsonaro, e em sete apoiadores do ex-presidente Lula, que não chegou a ser candidato. 
“As declarações do presidente alimentaram a hostilidade contra jornalistas neste ano de 2019. Alguns ministros também passaram a fazer uso dessa tática, e isso incentivou apoiadores do governo a perseguir os jornalistas nos meios digitais, com mensagens ameaçadoras e exposição de dados privados. É uma tentativa desesperada de enfraquecer o exercício do jornalismo, e de desviar o foco das denúncias contra o governo que vêm se somando desde o início de 2019”, diz Márcio Garoni, diretor da FENAJ. 

 

ONDE ESTAMOS

QUEM SOMOS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (SindJor-MS) é uma entidade representativa da categoria em âmbito estadual, com exceção de 25 cidades localizadas na região Sul do estado, sob domínio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados (Sinjorgran). O SindJor-MS está registrado sob o CNPJ nº 15.570.575 0001/17

Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.
Telefone de contato: (67) 3325-5811
EXCEPCIONALMENTE estamos atendendo apenas pelo email sindicatojorms@gmail.com.

ÁREA DE ATUAÇÃO