O QUE EU GANHO?

Conheça as vantagens e os benefícios de ser filiado ao SindJor-MS

MURAL DE EMPREGOS

Está em busca de oportunidade? Quer ser encontrado pelo empregador? Confira o nosso mural

DESCONTO EM FOLHA

É a forma mais prática de contribuir com o SindJor-MS. Saiba como

TABELA DE VALORES 2017

O SindJor-MS sugere valores que podem basear acordos entre empresas e trabalhadores

DIRETORIA

Veja quem são os membros da direção do sindicato para o triênio 2013-2016

sexta-feira, 25 de novembro de 2022

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS FILIADOS AO SINDJOR MS

 Diário Oficial Eletrônico n. 10.995 24 de novembro de 2022 Página 316 A autenticidade deste documento pode ser verificada no endereço http://imprensaoficial.ms.gov.br

 Conforme os artigos 58, “b”, e 59 do Estatuto do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS), com endereço à Travessa Coronel Edgard Gomes, 49, Bairro São Tomé, no município de Campo Grande/ MS, vimos por meio deste, convocar os (as) jornalistas filiados (as), no gozo dos seus direitos, para a Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada no dia 28 de novembro de 2022, presencial, tendo às 19h (a primeira chamada) e às 19h30min (a segunda chamada). A assembleia será realizada na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul, no endereço Travessa Coronel Edgard Gomes, 49, bairro São Tomé, Campo Grande – MS. A assembleia deliberará sobre a seguinte pauta: 1 - Discutir, justificar e sanar os problemas enfrentados pela gestão 2022-2025, em razão de vacância até a data da Assembleia; 2 – Constituição, eleição, posse e vigência da Comissão Diretiva Provisória para o Sindicato, 3 – Deliberação sobre a Comissão Eleitoral para Eleições da Gestão do triênio 2022-2025. 

 Campo Grande/MS, 24 de NOVEMBRO de 2022

quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Sindjor/MS e entidades acionam Ministério Público contra atos que questionam resultado das eleições

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS) protocolou, nesta terça-feira (8), representação junto ao Ministério Público Estadual (MPMS) e ao Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF) contra as agressões à imprensa realizadas durante os atos antidemocráticos realizados por grupos bolsonaristas que não concordam com o resultado das eleições presidenciais. 

A entrega foi realizada com a participação de jornalistas de diversos veículos de comunicação, além de representantes das entidades signatárias do documento e da sociedade civil organizada. 

Na representação, as entidades cobram que ambas instituições tomem medidas para desbloquear as vias obstruídas pelos manifestantes. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram registrados oito pontos de bloqueio em Mato Grosso do Sul, além da interdição, ora total, ora parcial, da avenida Duque de Caxias, em Campo Grande, onde está localizada a sede do Comando Militar do Oeste (CMO), e dá acesso ao principal aeroporto do estado. 

Na véspera do protocolo da representação, o Sindjor/MS recebeu diversos vídeos que mostram repórteres, cinegrafistas e auxiliares recebidos aos gritos, com palavras de baixo calão, ao tentarem fazer a cobertura deste atos. Os registros em vídeo que, até o momento, foram apresentados ao sindicato, apresentam equipes do SBT MS, TV Guanandi (Band), e dos sites Campo Grande News e TopMídia News sendo hostilizados pelos manifestantes. 

“Eles não aceitam que perderam, não aceitam a democracia, não respeitam a Constituição”, afirma o presidente do Sindjor/MS, Walter Gonçalves. “Quando o Haddad perdeu as eleições em 2018, ele reconheceu o resultado, desejou boa sorte ao governo eleito, ninguém contestou as urnas nem ficou ofendendo o STF, o TSE ou a imprensa”, aponta o jornalista, que coordenou os atos por justiça e por respeito à Constituição brasileira realizados no MPMS e MPF. 

"Nosso objetivo é fazer valer os direitos não só dos jornalistas, mas de toda a sociedade, já que os manifestantes estão impedindo nosso direito de ir e vir em razão com o objetivo de fazer valer uma pauta golpista. Eles não respeitam a vontade da maioria dos brasileiros, que foi externada nas urnas de forma legítima no dia 30 de outubro", ressaltou.

Assinam a representação as seguintes entidades:

Associação dos Advogados e Advogadas pela Democracia, Justiça e Cidadania – ADJC/MS

Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul - CUT-MS 

Fórum Estadual Permanente das Entidades do Movimento Negro de MS

Sindicato Campo-Grandensse de Professores - ACP

Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul

Sindicato dos Radialistas de MS – Sintercom MS

Amarildo Cruz – Deputado Estadual de MS

Ayrton Araújo – Vereador em Campo Grande

Camila Bazachi Jara – Vereadora em Campo Grande e deputada federal eleita

Pedro Gonçalves Kemp – Deputado Estadual de MS





segunda-feira, 7 de novembro de 2022

Fenaj e Sindjor-MS repudiam agressões e censura aos profissionais de imprensa de MS

Nota de Repúdio

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) vem a público repudiar veementemente a hostilização e violência contra os profissionais da imprensa local por parte de integrantes dos movimentos golpistas que, reunidos em frente ao Comando Militar do Oeste (CMO), em Campo Grande (MS), questionam o resultado das eleições presidenciais de 2022. 

O Sindjor-MS recebeu, nesta segunda-feira (7), diversos vídeos que mostram repórteres, cinegrafistas e auxiliares recebidos aos gritos, com palavras de baixo calão, ao tentarem fazer a cobertura deste atos. Os registros em vídeo que, até o momento, foram apresentados ao Sindjor-MS apresentam equipes do SBT MS, TV Guanandi (Band), e dos sites Campo Grande News e TopMídia News sendo hostilizados pelos manifestantes. 

Uma das equipes relatou ao sindicato que somente conseguiu se aproximar do local mediante "escolta" de manifestantes que chancelaram o trabalho dos jornalistas. Já outra equipe sequer conseguiu adentrar o local, diante do risco à integridade dos profissionais. 

Ou seja, o que ocorre é não somente uma tentativa de impedir a imprensa de trabalhar, mas, principalmente, de informar aos cidadãos o que ocorre nestes movimentos. 

O acesso à informação é um dos pilares do estado democrático de direitos, que vem sendo constantemente ferido durante estes atos antidemocráticos organizados por um grupo que questiona a vontade da maioria brasileira, externada nas unas no dia 30 de outubro. 

Nos solidarizamos com os profissionais de imprensa hostilizados, e ressaltamos que estamos à disposição para atendê-los, bem como a toda a categoria, com o objetivo de garantir que os profissionais de imprensa possam trabalhar, levar informação à sociedade, e exercer o direito de ir e vir. 

Informamos, ainda, que a assessoria jurídica do sindicato está tomando as providências legais contra este tipo de cerceamento, de forma a garantir a integridade dos jornalistas.

Campo Grande - MS, 7 de novembro de 2022. 



Sindicato dos Jornalistas Profissionais de MS (Sindjor/MS)

Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj)

quarta-feira, 26 de outubro de 2022

Sindjor MS e Fenaj reforçam orientação para a proteção aos jornalistas, no segundo turno das eleições

 


 Domingo, dia 30, teremos o segundo turno das eleições para presidente da República, e para governador (estas, em alguns Estados, caso de Mato Grosso do Sul). O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor MS) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), têm acompanhado com preocupação o crescimento da violência política no Brasil, assim como seus desdobramentos no tocante à liberdade de imprensa, a partir da institucionalização da violência contra as/os trabalhadoras/es da mídia, em especial as/os jornalistas.

 Com o objetivo de garantir a segurança e a integridade física dos profissionais de imprensa que estarão trabalhando nesta reta final da campanha eleitoral, e no dia da votação (30), contra qualquer tipo de violência que venham a sofrer, as duas entidades renovam aos veículos de comunicação de MS, as orientações enviadas por ofício às empresas, quando do primeiro turno das eleições (2 de outubro), para que adotem, na segunda rodada do pleito, as medidas sugeridas para a proteção aos profissionais de imprensa.

No domingo, dia da votação em segundo turno, o Sindjor MS manterá um plantão para atender as/os profissionais que venham a sofrer algum tipo de violência. Qualquer ocorrência, ligar para um desses celulares: 99648-5400, 99211-3420 e 99651-8284.

São estas, as recomendações enviadas às empresas:

1. Os (as) trabalhadores (as) que venham a atuar na cobertura dessa reta final de campanha, e no dia da votação (30 de outubro) - sejam repórteres ou repórteres-fotográficos e repórteres-cinematográficos – não o façam sozinhos, tendo em vista o risco de serem atacados durante o cumprimento de tarefas jornalísticas. As empresas devem, portanto, escalar profissionais auxiliares para garantir que alguém possa cuidar do entorno e da integridade dos profissionais enquanto estes estiverem ocupados e desatentos. Observamos, neste sentido, que profissionais de imagem costumam ser as principais vítimas de ataques cometidos contra jornalistas em meio à cobertura.

2. As empresas devem, ainda, estudar e adotar as medidas protetivas que se façam necessárias ao mensurar os riscos de exercício da atividade na ocasião. Por exemplo: solicitar apoio de agentes de segurança pública; providenciar equipamentos de segurança (Exemplo: capacete, coletes, máscaras de gás e óculos de segurança); garantir que os profissionais possam contar com a possibilidade de deslocamento rápido em caso de tumulto; garantir que os profissionais disponham de dispositivos de comunicação em adequadas condições de uso; designar profissionais preparados e baseados na redação para coordenar a adoção das medidas de segurança que se façam necessárias, etc...

3. Em caso de ataques contra jornalistas, as empresas devem orientar os trabalhadores para que procurem o Sindjor MS (contatos acima), bem como para que realizem o devido registro da ocorrência junto à Polícia Civil.

4. Casos de ameaças prévias a jornalistas e/ou a veículos de Comunicação devem ser comunicados às autoridades competentes o mais rápido possível e devem ainda motivar a adoção de medidas específicas por parte das empresas.

 

A Direção


 

ONDE ESTAMOS

QUEM SOMOS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (SindJor-MS) é uma entidade representativa da categoria em âmbito estadual, com exceção de 25 cidades localizadas na região Sul do estado, sob domínio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados (Sinjorgran). O SindJor-MS está registrado sob o CNPJ nº 15.570.575 0001/17

Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.
Telefone de contato: (67) 3325-5811
EXCEPCIONALMENTE estamos atendendo apenas pelo email sindicatojorms@gmail.com.

ÁREA DE ATUAÇÃO